Derek Gripper – Billy Goes To Durban (2021)

Em função das medidas preventivas quanto ao Coronavírus, Foi logo depois que as restrições internas de viagem foram levantadas na África do Sul que Derek e seus filhos fizeram uma viagem de quinze horas da Cidade do Cabo para uma pequena fazenda próxima a uma floresta onde seu amigo Guy Buttery estava morando. O plano era gravar a continuação do álbum ao vivo que fizeram anteriormente. Derek levou um gravador analógico com uma caixa de velhas bobinas de fita de cinco polegadas que lhe tinham sido entregues recentemente. Quando chegou, a primeira coisa que fizeram foi pegar as fitas e enrolar uma a uma no gravador. Ao apertar o play, uma surpresa: a fita continha uma gravação antiga realizada no estádio de Durban em 1974, para um sermão do pregador americano Billy Graham, para mais de setenta mil pessoas na África do Sul do Apartheid. Instigado pela curiosidade, Derek lhe enviou um e-mail! E como resultado, obteve uma resposta na qual o pregador falava muito sobre o amor universal. De certa forma, aquilo funcionou como um tipo de as boas-vindas a uma Durban de cinquenta anos atrás. Foi realmente estranho, mas basicamente serviu de inspiração para a composição do álbum em questão.

Data do lançamento: 24/09/21.

Texto Original:

Mathias Eick – When We Leave (2021)

“O toque expressivo do trompetista norueguês Mathias Eick, que de acordo com o New York Times irradia um “tom puro, mas penetrante”, é notavelmente bem complementado na companhia de seus talentosos coadjuvantes e companheiros de viagem. O violinista Håkon Aase, um dos maiores improvisadores de sua geração, acompanha o líder com linhas que refletem uma profunda experiência no folk e no jazz. Os bateristas Helge Andeas Norbakken e Torstein Lofthus espelham suas trocas, pois interagem com precisão ronronante. Perto do centro da ação, o pianista Andras Ulvo e o baixista Audun Erlien transportam ideias entre a linha de frente e a seção rítmica e fazem declarações próprias. Em várias faixas, o delicado swell da guitarra pedal steel de Stian Carstensen adiciona uma dimensão de mistério. Quando partimos foi gravado no Rainbow Studio de Oslo em agosto de 2020.”

Data do lançamento: 24/09/21.

Joanne Shaw Taylor – The Blues Album (2021)

O fenômeno britânico do blues/rock Joanne Shaw Taylor aponta seus consideráveis talentos vocais e de guitarra em um maravilhoso conjunto de covers em seu novo lançamento The Blues Album. Lançado em 24 de setembro de 2021 na KTBA Records de Joe Bonamassa, o prato apresenta as interpretações de Taylor de 11 músicas de blues fora do comum originalmente feitas por estrelas do gênero como Albert King, Peter Green, Little Richard, Magic Sam, Aretha Franklin e Little Milton. Apoiando-a nessas sessões está uma banda de estúdio de alta octanagem composta por Josh Smith (guitarra), Reese Wynans (teclados), Greg Morrow (bateria), Steve Mackey (baixo), Steve Patrick (trompete), Mark Douthit (sax). ) e Barry Green (trombone). Joe Bonamassa toca e canta na faixa “Don’t Go Away Mad”. Ele e Josh Smith co-produziram o disco e trouxeram um novo nível de intensidade de Taylor que acende um grande fogo sob esse material matador da velha escola.

Data do lançamento: 24/09/21.

Texto Original:

Falkevic – New Constellations (2021)

“Com criatividade e amor pela improvisação e experimentação, o trio de piano norueguês Falkevik toca indie music [com inspiração no jazz] enérgico e baseado em riffs, combinando as paisagens sonoras nórdicas com passagens musicais líricas que permanecerão em seu ouvido. A vocalista e pianista Julie Falkevik, cuja voz clara e única instantaneamente hipnotiza o ouvinte, explora divertidamente o som do piano aplicando eletrônica e efeitos ao vivo, o que, por sua vez, dá à música uma vibração eletrônica distinta. Inspirado por artistas como E.S.T, GoGo-Penguin e Rymden, a Falkevik combina a tradição do jazz nórdico com melodias pop elegantes e solos baseados em riffs.”

Data do lançamento: 17/09/21.

Texto Original:

Gabriel Yang – Ave de Cem Olhos (Single, 2021)

“Sobre o tipo de som que me agrada, aí varia muito em relação ao meu estado de espirito, mas tenho meus artistas preferidos, que são respectivamente Jeff e Tim Buckley, gosto do folk rock sujo do Neil Young, curto muito rock dos anos 70 e como sou um cara de 30 e poucos anos, tenho um carinho especial pelo Grunge. Em relação ao Blues, não sou um músico do estilo, gosto do som do Delta e de como o blues se encaixa nas coisas, tenho um certo enjoo pelo som de Chicago e não tenho paciência pra ficar ouvindo muito tempo os mesmos 12 compassos. Curto muito a MPB nordestina, principalmente Alceu Valença, que considero uma inspiração e por isso utilizei em algumas músicas minhas. Curto o rock rural do Sá, Rodrix e Guarabira, gosto de umas “paradas” de terras mais distantes também, por exemplo, música árabe, coisas de artistas do continente africano, música tribal, trilhas sonoras de cinema (também curto trabalhar com trilhas e comecei na produção musical por aí).”

Data do lançamento: 17/09/21.

Nota do Editor:

  • Texto escrito em parceria com o artista.

Mary Spender – Songbook, Vol. 1

Combinando sua voz sensual e guitarra elétrica para criar canções pop infundidas com blues e soul, a composição de Mary Spender mostra seu estilo virtuoso de tocar guitarra, bem como seu amplo alcance vocal. Nos últimos 18 meses, Mary esgotou shows independentes em Bristol e Londres, mas agora, depois de um ano aumentando sua presença online no mundo da guitarra, ela tem orgulho de anunciar sua primeira turnê com o DHP. Ela excursionou pelo Reino Unido, Europa e EUA; os destaques incluem o apoio a Gabrielle Aplin e Joey Landreth, além de apresentações em locais icônicos como o The Bluebird Café em Nashville.

Data do lançamento: 01/12/21.

Texto Original:

Shay Hazan Quintet – Nuff Headlines (2021)

“O baixista e compositor Shay Hazan é um dos pilares da vibrante cena jazz de Tel Aviv. Seu baixo versátil pode ser ouvido na rádio israelense ao lado de estrelas pop conhecidas, em clubes de jazz ecléticos e festivais em Israel e na Europa. O novo álbum de Hazan, Nuff Headlines, o coloca no papel de liderança, uma posição rara (embora não inédita) para um baixista. O quinteto é preenchido pelo duo Tal Avraham (trompete) e Eyal Netzer (saxofone), junto com Milton Michaeli (piano) e Haim Peskoff (bateria). As raízes musicais de Hazan se espalharam por todo o reino mágico da música marroquina Gnawa (Hazan muitas vezes toca gimbri, o tradicional alaúde de três cordas coberto de pele), a nova onda do hip hop e o movimento de free jazz e direitos humanos de Chicago dos anos 1960. Todas essas raízes alimentam o organismo único da banda, com Hazan liderando no baixo, ancorando e impulsionando a música com uma força que só ele pode conceber…”

Data do lançamento: 14/09/21.

Texto Original:

Timo Lassy – Trio (2021)

O novo som do Lassy é firme, suingante e funky, liderado pelo sax forte e pronto para riffs do tenorman. Dito isto, o som do álbum não se limita ao do trio suingante. A nova visão de Lassy também traz algumas eletrônicas sutis (tocadas por Lassy, o vocalista do Dalindèo Valtteri Laurell Pöyhönen e o pianista do Quarteto Ilmiliekki Tuomo Prättälä) e cordas exuberantes executadas pela Budapest Art Orchestra, organizadas pelo artista finlandês Marzi Nyman. É um novo som para Lassy, mas que se mantém fiel à sua prática de cozinhar no tenor.

Data do lançamento: 27/08/21.

Saiba mais:

Marc Johnson – Overpass (2021)

“Overpass é a última edição desta série do selo ECM Records – Álbuns solo de baixo. Se você é o tipo de fã que vai ao bar durante o solo de baixo, é justo dizer que o último lançamento de Marc Johnson não será para você. Mas se você tem ouvidos abertos, há muita coisa no álbum que é muito gratificante. É um trabalho agradável de um dos mestres mais habilidosos no seu instrumento de ofício. Em Overpass, Johnson parece estar refletindo sobre sua longa carreira. Talvez mais conhecido por seu quarteto Bass Desires, com Bill Frisell e John Scofield na guitarra junto com Pete Erskine na bateria, Johnson fez seu nome tocando com o pianista Bill Evans, e várias das peças aqui se relacionam com seu tempo com Evans.”

Data do lançamento: 27/08/21.

Texto Original:

GA-20 – Try It… You Might Like It: GA-20 Does Hound Dog Taylor (2021)

“Aqui, o blues é reverenciado por sua atemporalidade. O melhor blues é aquele mesmo não importando quão antigo seja, soa tão fresco e visceral hoje quanto quando foi gravado pela primeira vez. O trio de alta voltagem GA-20, formado pelo guitarrista Matt Stubbs, pelo guitarrista/vocalista Pat Faherty e pelo baterista Tim Carman, sabem bem disso. As canções de autoria própria , soam e parecem tão frescas e reais quanto o melhor blues feito nas origens do estilo que eles amam, incluindo músicas de Otis Rush, J.B. Lenoir, Howlin’ Wolf, Junior Wells e especialmente seu favorito, Hound Dog Taylor.

Data do lançamento: 20/08/21.

Texto Original: